A fazenda

A Fazenda Capuava foi o reduto de Flávio de Carvalho, conhecido artista modernista. Herdada por tia Helô, sua única sobrinha, sua casa conta com um destacado projeto arquitetônico e é patrimônio histórico tombado pelo Condephat, sendo em parte utilizada para algumas atividades da ACESA, que objetiva também a preservação e o resgate da memória do artista.

 

 

Flávio de Carvalho

Flávio de Carvalho é o nome artístico de Flávio de Rezende Carvalho (Barra Mansa, 10 de agosto de 1899 — Valinhos, 4 de junho de 1973). Ele foi um dos grandes nomes da geração modernista brasileira e da Semana de Arte Moderna, atuando como arquiteto, engenheiro, cenógrafo, teatrólogo, pintor, desenhista, escritor, filósofo, músico e outros rótulos.

 

 

Em 1939, Flávio de Carvalho recebeu uma indicação (feita pelo Prof. Paul V. Shaw) ao Prêmio Nobel de Literatura, sem contudo, ganhar - quem venceu foi o escritor finlandês Frans Eemil Sillanpää. O prêmio Nobel deste ano foi o último antes da Segunda Guerra Mundial e só voltaria a ser entregue novamente em 1944.

 

 

Flávio de Carvalho escrevia sobre arquitetura no extinto jornal "Diário de São Paulo", e em 1956, seu editor pediu que fizesse um modelo de roupa masculino. Flávio deu o nome de Experiência nº 3 ao seu projeto e criou uma saia de náilon, uma camisa bufante, um chapéu e uma meia de modelo arrastão com sandálias de couro como solução para o excessivo calor. Ele mesmo desfilou com seu protótipo em 18 de outubro daquele ano em São Paulo. Era, na realidade, a vestimenta de um modelo futurista de moradia.